Feeds:
Posts
Comentários

Archive for março \06\UTC 2017

No meio dos meus 53 anos de vida eu percebi que ele existe, o Oxigênio,, e descobri mais ainda: ele, quando falta é, de fato, um problema!

Respiro desde que nasci, parece óbvio, mas nunca me dei conta de que eu precisava respirar mais… desde os meus 10 anos de idade tenho asma e luto por uma respiração mais fácil e completa.

Sentir falta de ar tornou-se uma presença constante na minha vida. Me acostumei a andar com a bombinha no bolso para uma emergência. Há mais de quarenta anos eu ando com a bombinha no bolso…

Fui a muitos especialistas, médicos, doutores, homeopatas, alergistas, umbandistas, pais de santo, benzedeiros, religiosos… de todo tipo e de toda aparência, dos mais calmos aos mais agressivos. Até exercício de yoga para respirar melhor eu fiz nestes 43 anos de asma.

Nos últimos 3 anos a coisa piorou… a alergia que provocava a asma sumiu, mas a asma continuou. Neste ano de 2016 fui surpreendido com duas crises tão fortes que achei que estava recebendo aquela visita que nos leva definitivamente, mas eu disse: Hoje nâo! E a visita foi-se embora me deixando respirar novamente.

Venho pesquisando e indo à médicos (não muitos) desde que tomei o segundo susto… (lembre-se de nunca deixar para o terceiro). Em julho do ano passado fui a um cardiologista que disse que eu, apesar de ter sido reprovado em todos os exames clínicos, não tenho nada no coração, sim, que eu tenho um bom coração eu sei, mas um coração bom e saudável só pude atestar através de um ecodoppler bem feito.

Mas esse mesmo médico, através de um canal, possivelmente espiritual (ou por experiência de vida mesmo), intuiu que o meu problema era refluxo. Tratou o refluxo e, milagrosamente, a minha asma sumiu! Sim, refluxo! Regrei a alimentação, perdi 16 kilogramas de pura travessura alimentar e as crises graves e constantes desapareceram.

No entanto, não basta a crise sumir… fui a outro médico, agora um pneumologista, para que ele tentasse me sugerir alguma coisa diferente em termos de tratamento para essa doença crônica… já tomo Salbutamol há 43 anos! Tem que haver alguma coisa nova… alguma coisa que melhore e ajude mais…

Já havia experimentado, sem sucesso aparente, um tanto de outros tratamentos… remédios que reduziam a possibilidade de crise ou que reduziam as alergias, mas nunca senti firmeza em nenhum deles. Para ser bem claro: nenhum deles fez qualquer efeito aparentemente melhor que o tal do AEROLIM, nome comercial mais popular do Salbutamol.

Os de pozinho, que depositam sobre os bronquíolos… não deram certo comigo… Agora tem um novo, um “tipo” gás, associado a um corticóide de sabor amargo. Tou nele há duas semanas e, pasmei, tenho me sentido muito diferente.

O remédio permite que eu respire fundo, absorva mais oxigênio que o meu usual… e mudou tudo aqui dentro… comecei a pensar em questões associativas do oxigênio no sangue, queimando glicose, gerando energia e me ocorreu uma ideia que, se você leitor, for pesquisador na área médica pode tomar como indício que eu não vou cobrar de você nada mais que um agradecimento no seu discurso no prêmio Nobel de Medicina!

Veja bem se faz sentido, se não fizer sentido para você, azar o seu. Talvez outro pesquisador entenda meus indícios e pensamentos…

O seguinte: o medo nos faz prender a respiração. É um mecanismo natural de defesa. A adrenalina nos faz reter mais oxigênio e respirar com mais intensidade para podermos explodir em raiva e corrermos do que nos ataca ou atacarmos o que nos mete medo. É um ciclo primal. O animal que somos responde aos estímulos do perigo através do oxigênio.

Resultado de imagem para glicoseConsumimos a glicose no sangue através do oxigênio que queima a glicose nas células dando-nos a energia que necessitamos para viver, correr, brincar, namorar.

Imagino, a partir destes pensamentos, que há co-relação entre a asma e 1-Triglicerídeos, 2-Medo/ansiedade sem estímulo aparente, 3- Tensão, raiva e agressividade sem motivo.

Ora, se não temos oxigênio suficiente no sangue não consumimos a glicose e ela se transforma em gordura, em triglicérides que causarão outros tipos de danos no fígado e no pâncreas.

Se não temos oxigênio no sangue suficiente, é como se prendêssemos a respiração, temos medo, temos raiva para liberar a adrenalina e acelerarmos a nossa respiração para explodirmos em reação de fuga ou ataque.

Mas se não temos um motivo real para esse medo e essa raiva passamos a pensar que estamos estressados, neuróticos ou com ansiedade. Ao invés de pensarmos que o problema é falta de oxigênio, pensamos que é coisa neurológica… mas não duvido que depois de muito tempo com baixos teores de oxigênio no sangue a questão neurológica se configure como real.

Então temos alguns agentes para pensar: refluxo como desencadeador de asma, asma como desencadeadora de triglicerídeos, de medo, de raiva, de ansiedade…

Mas como conclui esse tanto de senso comum e baboseira sem base?

Volto a minha experiência de vida.

Sou um pouco agressivo sim, tenho raiva contida constante, tenho medo, tenho triglicerídeos altos… e quando comecei a tomar esse último remédio para a asma eu senti que o oxigênio voltou a entrar em minha vida.

Tenho estado mais calmo, menos ansioso, menos raivoso (agora é só falta de educação e reação automática mesmo)… É óbvio que tem pouco tempo de remédio para eu dizer que é efeito da broncodilatação e melhor assimilação do oxigênio… mas vou observar melhor, o tempo sempre demonstra corretamente o que acontece para um bom observador… e eu sou um.
Respire! O mundo precisa de você calmo e com saúde.

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: