Feeds:
Posts
Comentários

Archive for abril \02\UTC 2012

Tenho cá minhas restrições à terminologia “modernismo” que foi atribuída pela História da Arte para a Arte do século XX.

Se considerarmos como moderno o movimento de laicidade nos governos e processos, a mecanização e matematização da ciência, industrialização dos meios de produção que ocorreram no século XVIII tendo iniciado seu processo com a Peste Negra no século XIV levando à diminuição consequente do Poder Secular.

Moderno deveria ser considerado o que, na História da Arte, chamamos de Renascimento. Uma vez que a arte do período renascentista representa exatamente essa definição: matematização e mecanização dos processos de representação, laicidade e industrialização. Não todos juntos, mas sendo introduzidos na arte de forma escalonada durante o período.

O que chamamos hoje de Modernismo é uma fase posterior, com novos paradigmas, que inclui o paradigma quântico do qual tanto se fala atualmente e que já estava presente na ciência do início do século XX, a pluralidade cultural e a simultaneidade das comunicações que vivemos desde aquela época que foram se intensificando…

Se vamos chamar esse grupo de correntes e tendências diversas de Pós-modernismo, eu não sei, pois o termo também não é muito apropriado.

O fato é que as tendências artísticas foram muito individualizadas, e localizadas sendo, muitas vezes, sobrepostas umas às outras.

Atualmente vivemos o que Alain Touraine no seu livro “Para entender o novo paradigma (2005) chama de Culturalismo, mas, ao que me parece, nunca vivemos o Pós-modernismo de Lyotard uma vez que o que chama-se de modernismo nas Artes é coisa muito mais antiga, a ser colocada no lugar do Renascimento.

Está produzida (ou proposta) uma lacuna terminológica na História da Arte.Eu, que sempre fui um iconoclasta, convoco, ou convido humildemente, os Doutores em História da Arte a repensar as terminologias Renascimento, Modernismo e, por que não, Pós-modernismo…

Em Resumo:
Renascimento é Modernismo ou Moderno.
E se Modernismo não é o que parece ser… O que é? Não sei… Mas gosto de pensar em Pluralismo ou Liberalismo nas Artes.

E o Contemporâneo eu, já falei em outros momentos, também considero ultrapassado para o período em que vivemos, pois nos tira completamente do hoje para um amanhã eterno…nos impedindo de viver o presente nesta eterna ansiedade pelo que virá e pelo que nunca teremos.

Sugiro que vivemos hoje o período do Culturalismo Pós-Contemporâneo.

Barulho demais?

Durma com ele!

Abraços

Anúncios

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: